sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Títulos – Torneio Costa do Sol de 1969

Em 1969, logo na sequência da conquista do Troféu Apollo V, o Corinthians seguiu excursionando pelo exterior e garantiu mais um título amistoso internacional: o do Torneio Costa do Sol.

A disputa, cujo nome em espanhol é Trofeo Costa del Sol, é patrocinada pela Real Federación Española de Fútbol e organizada pela prefeitura da cidade de Málaga em conjunto com o clube da cidade. Seu nome faz referência à região espanhola Costa do Sol, cujo centro é a cidade de Málaga.

O Corinthians participou como convidado da nona edição do torneio, em 1969. Em um formato idêntico ao da Copa Cidade de Turim, cuja edição de 1966 foi conquistada pelo Timão, eram quatro as equipes participantes, sendo duas espanholas (sempre o Málaga e mais uma convidada) e dois adversários estrangeiros. Nesta edição, além do Málaga e do Barcelona, participaram o River Plate, da Argentina, e o Corinthians, que jogariam em sistema de mata-mata, com os vencedores das semifinais avançando para a final e os perdedores disputando o terceiro lugar.

Nossa estreia, no Estádio La Rosaleda, em 16 de agosto, foi contra o Málaga, time anfitrião, e bastou uma vitória simples por 1x0, gol de Benê, para nos levar à decisão. Enquanto isso, na outra semifinal, o gigante Barcelona eliminava o River Plate, se colocando como o nosso adversário na final, que ocorreria já no dia seguinte, 17 de agosto, também no Estádio La Rosaleda.

Mas parece que enfrentar a equipe catalã dá sorte ao Corinthians, já que ao longo da história as duas equipes haviam se enfrentado em três ocasiões, todas com vitória do Timão: no turno e no returno da Pequena Taça do Mundo, em 1953, com vitórias por 3x2 e 1x0, e em um amistoso em 1959, com goleada corinthiana por 5x3 em pleno Camp Nou. E nessa final não foi diferente. Embora o Barça tenha saído na frente, o Corinthians correu atrás do empate com Adnan. O 1x1 não se moveu do placar nem no tempo normal, nem na prorrogação, o que exigiu, acreditem, uma nova prorrogação. E foi só no 142º minuto da partida, ou seja, no segundo tempo da segunda prorrogação, que o centroavante Benê fez o gol do título.

Time-base: Alexandre (Diogo); Polaco, Ditão, Luís Carlos e Pedro Rodrigues (Miranda); Dirceu Alves e Suingue; Tales (Luís Carlos Feijão), Servílio, Tião (Benê) e Carlinhos (Adnan). Técnico: Dino Sani.

Para ver uma lista com todos os títulos da história do Corinthians, clique aqui.

Para acessar os posts sobre outros títulos da história do Corinthians, clique aqui.
                  

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Pós-jogo: Corinthians 2x1 Cruzeiro

Copa do Brasil 2016 – Quartas de final: jogo de ida

Podia ter sido pior. Com a bolinha que o Corinthians vinha jogando nas últimas partidas, as esperanças do torcedor para ontem não eram das melhores, mesmo jogando em casa contra uma equipe frágil como o Cruzeiro. Assim, vencer na ida e poder jogar pelo empate na volta, em 19 de outubro, pode ser visto como vantagem considerável.

Mas também podia ter sido melhor. Depois de abrir 2x0, resultado que seria muito difícil de ser revertido em Minas, nossa zaga, que até recentemente era a melhor do país, deu um vacilo monstro e permitiu um gol adversário, o que deixa tudo aberto para a partida de volta.

E é justo que se diga que a equipe jogou bem. Com uma postura bastante agressiva, criamos muito mais do que de costume, ainda que as finalizações continuem sendo um problema.

Será que dá pra avançar?

Próximo jogo: 1º/10, contra o Botafogo, fora de casa, pelo Brasileirão.

Veja os gols no vídeo:


Para ver os posts dos outros jogos da Copa do Brasil 2016, clique aqui.
          

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Títulos – Troféu Apollo V de 1969

O Troféu Apollo V de 1969 foi mais uma das taças internacionais amistosas conquistadas pelo Corinthians durante o jejum de títulos oficiais que durou de 1954 a 1977.

No dia 2 de agosto de 1969, Corinthians e River Plate, da Argentina, se enfrentaram em um amistoso na cidade de Nova York, nos Estados Unidos. A partida, patrocinada pela Liga de Futebol de Nova Jersey, valia o Troféu Apollo V, cujo nome fazia referência à missão espacial recentemente realizada pela Nasa com o objetivo de levar o homem à Lua.

As duas equipes, que já haviam se enfrentado poucos dias antes em outro amistoso, no Canadá, com vitória corinthiana por 2x1, fizeram uma partida muito equilibrada: Benê abriu o placar logo aos quatro minutos de jogo, mas o empate do River saiu logo na sequência, aos nove. O 1x1 no tempo normal levou a decisão para os pênaltis, a qual vencemos por 4x2 – Adnan, Suingue, Buião e Mendes converteram para o Timão.

Com o resultado, levamos mais uma taça internacional para casa. E no mesmo mês levaríamos outra: a do Torneio Costa do Sol, na Espanha.

Time-base: Alexandre; Polaco, Mendes, Luís Carlos e Pedro Rodrigues; Dirceu Alves (Adnan) e Tião (Servílio); Buião, Suingue, Benê e Luís Carlos Feijão (Carlinhos). Técnico: Dino Sani.

Para ver uma lista com todos os títulos da história do Corinthians, clique aqui.

Para acessar os posts sobre outros títulos da história do Corinthians, clique aqui.
                  

Agenda – 28 de setembro

No dia 28 de setembro de:

Para ver outras datas importantes da história do Corinthians 
na nossa agenda, clique aqui.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Títulos – Copa Cidade de Turim de 1966

Como se sabe, o jejum de 23 anos vivido pelo Corinthians entre 1954 e 1977 se refere apenas a títulos oficiais, o que quer dizer que alguns torneios amistosos foram conquistados pela equipe nesse período. Um deles foi a Copa Cidade de Turim de 1966, mais um troféu internacional para a nossa galeria.

Esse torneio, cujo nome em italiano era Coppa Città di Torino, foi disputado apenas duas vezes, em 1964 e 1966. Em ambas, o formato era o mesmo: duas equipes italianas (a Juventus e outra escolhida a cada edição) enfrentariam duas estrangeiras convidadas em um curto torneio de mata-mata que se iniciava já nas semifinais, com os vencedores avançando para a final e os perdedores disputando o terceiro lugar.

Na edição de 1966, as duas equipes italianas seriam as tradicionalíssimas Juventus e Internazionale. Quanto aos times convidados, além do Corinthians, participaria também uma equipe espanhola, o Espanyol.

Na semifinal, em 29 de maio, o Corinthians faria sua estreia diante da Internazionale, que vivia o período mais glorioso de sua história, já que tinha sido a campeã italiana nas últimas duas temporadas (1964-65 e 1965-66) e recentemente havia conquistado a Copa dos Campeões da UEFA e o Mundial Interclubes em duas edições consecutivas (1963-64 e 1964-65). Só que contrariando todo o favoritismo do time da casa, deu Timão em pleno estádio de San Siro, em Milão: saímos na frente com Nair, e a Inter logo empatou, mas Nei marcou duas vezes, garantindo a vitória por 3x1. O resultado nos garantiu vaga para jogarmos a final, contra o Espanyol, em 1º de junho, no estádio Comunale de Turim.

Ainda que o Espanyol não seja tão tradicional e vencedor em seu país, a equipe espanhola vinha credenciada por ter eliminado a favorita Juventus na outra semifinal do torneio. Além disso, o adversário contava com a escalação de Di Stéfano, um dos maiores jogadores de todos os tempos, recém-contratado junto ao Real Madrid. Assim, como era de se esperar, o jogo foi realmente muito duro: Rivellino abriu o placar, mas levamos o empate, e como o 1x1 persistiu no tempo normal e na prorrogação, a decisão foi para os pênaltis. E em uma disputa um tanto confusa, em que era permitido que um batedor realizasse mais de uma cobrança, Nair bateu os quatro pênaltis convertidos pelo Timão; assim, vencemos por 4x3 e garantimos a taça.

Embora não tenha sido um título dos mais comemorados, uma conquista internacional como essa, frente a equipes bastante qualificadas do futebol europeu, serviu para trazer um pouco de alento ao torcedor corinthiano, que já contava 12 anos sem nenhum troféu de grande expressão.

Time-base: Marcial; Jair Marinho (Galhardo), Ditão, Clóvis e Maciel; Nair e Rivellino; Marcos, Nei, Tales e Luís Américo. Técnico: Oswaldo Brandão.

Para ver uma lista com todos os títulos da história do Corinthians, clique aqui.

Para acessar os posts sobre outros títulos da história do Corinthians, clique aqui.
                  

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Pós-jogo: Corinthians 0x1 Fluminense

Campeonato Brasileiro 2016 – 27ª rodada

Comprovando a má fase da nossa equipe, perdemos mais uma: desta vez, para o Fluminense, por 1x0. E é bom que se diga: com um gol irregular no último minuto da partida, após uma falta que não existiu, e em um lance no qual um jogador que participou da jogada estava impedido.

Foi a segunda derrota seguida em casa nesse Brasileirão – que, convenhamos, já foi pro vinagre, e se marcar, nem G4 a gente pega.

E parabéns para Levir Culpi, técnico do Fluminense, que conseguiu passar de qualquer limite de incoerência. Chorou que nem uma criança (e sem ter razão) a semana inteira a respeito da arbitragem do confronto entre as duas equipes pela Copa do Brasil na quarta-feira, mas foi irônico na coletiva após a partida de ontem, chegando ao absurdo de falar que o jogo "dispensa os comentários sobre a arbitragem". Porque lhe convém, né, meu caro? O treinador até bateu boca com um repórter que ressaltou a mudança de postura quando o benefício é para o time dele (o repórter, aliás, mitou: após questionar se o comentário de Levir no meio de semana não teria sido "uma reclamação exacerbada dentro do que o futebol proporciona: erros para lá, erros para cá", finalizou com requintes de crueldade, afirmando que "[...] hoje, no caso, o Corinthians é quem reclama do erro e você está passando a mão na cabeça do juiz". Nem é preciso dizer que o treinador do Fluminense perdeu as estribeiras nesse momento, gerando ainda mais tensão em uma entrevista que já não era das mais calmas.

Mas quem mitou mesmo foi a página oficial do Corinthians no Facebook. Após a partida, enquanto o Fluminense publicava um patético "Ouvi mimimi?", o Corinthians rebateu com maestria: "Parabéns pela vitória! E também pela velocidade para mudar de opinião. Foi tão rápido quanto passar da Série C para a A em apenas um ano."

É como sempre digo: é o preço de ser gigante. Até quando nossa fase não é boa, os rivais fazem questão de reforçar a nossa grandeza. Chorem mais, por favor.

Próximo jogo: 28/9, contra o Cruzeiro, em casa, pela Copa do Brasil.

Veja o gol no vídeo:


Para ver os posts dos outros jogos do Campeonato Brasileiro 2016, clique aqui.
        

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Títulos – Copa do Atlântico de Clubes de 1956

O terceiro título internacional do Corinthians, após duas taças de nível mundial (a Pequena Taça do Mundo de 1953 e o Torneio Internacional Charles Miller de 1955), foi uma conquista continental: a Copa do Atlântico de Clubes de 1956. Mas há controvérsia. Algumas fontes afirmam que a final do torneio, contra o Boca Juniors, não foi disputada por falta de datas, e que portanto não houve campeão. Outras dizem que o título foi dividido entre as duas equipes. Há até quem alegue que o Corinthians venceu a partida de ida, mas que o adversário teria desistido de disputar a partida de volta, perdendo por W.O. – o que tornaria o Corinthians o campeão legítimo da competição.

Organizado em parceria entre a Confederação Brasileira de Desportos (CBD), a Asociación del Fútbol Argentino (AFA) e a Asociación Uruguaya de Fútbol (AUF), o torneio tinha 15 participantes, sendo cinco de cada um desses países. Como costumava acontecer naquela época, os representantes argentinos e uruguaios eram convidados de acordo com seu desempenho nos campeonatos nacionais, mas na falta de um campeonato brasileiro, que ainda não existia, as equipes do nosso país eram escolhidas a partir de seus resultados nos Campeonatos Paulista e Carioca, considerados os mais importantes dentre os estaduais. E foi como vice-campeão paulista de 1955 que o Corinthians conquistou sua vaga no torneio.

O sistema de disputa era eliminatório, ou seja, mata-mata, em jogo único (com exceção da final, que seria disputada em melhor de três), até que se definisse o campeão. Como o número de participantes era ímpar, foi decidido por sorteio que o Fluminense se classificaria automaticamente para as quartas de final, enquanto as demais 14 equipes disputariam as outras sete vagas para integrar a fase seguinte juntamente com a equipe carioca.

Nossa estreia na competição, contra o Danúbio, do Uruguai, foi extremamente difícil. Em partida disputada no Pacaembu em 23 de junho, quase fomos eliminados logo na estreia: perdíamos por 2x0 até os 41 minutos do segundo tempo, quando Cláudio e Paulo empataram a partida com dois gols em três minutos. Como o empate persistiu na prorrogação e a disputa de pênaltis não estava prevista no regulamento, a vaga na fase seguinte foi decidida, pasmem, por sorteio, no cara ou coroa. A sorte nos sorriu, e foi desse modo inusitado que avançamos para a fase seguinte.

Nas quartas, contra o Santos, em 4 de julho, novamente no Pacaembu, mais dificuldade: Paulo abriu o placar, mas sofremos o empate; Paulo fez mais um e Zezé ampliou para o Corinthians, só que o Santos buscou o empate mais uma vez; foi só aos 40 minutos do segundo tempo que Cláudio, de pênalti, marcou o gol que deu números finais à partida, com vitória corinthiana por 4x3.

Na semifinal, disputada em 7 de julho também no Pacaembu, outro rival paulista nos aguardava: dessa vez, o São Paulo. Com um pouco menos de sofrimento, os gols de Zezé e Cláudio nos deram a vitória por 2x0 e a vaga na final da competição, contra o Boca Juniors, da Argentina.

E aí entra a tal da controvérsia. Dentre os principais estudiosos da história corinthiana, as fontes mais confiáveis apontam que essa final nunca aconteceu. A razão teria sido a falta de datas para a realização das partidas, mas há quem afirme que o motivo real tenha sido a recusa do Boca em participar de uma disputa teoricamente injusta, já que, se após uma partida na Argentina e outra no Brasil não se decidisse o campeão, um terceiro jogo seria disputado também no Brasil, o que desequilibraria a decisão. No entanto, alguns historiadores alegam que houve sim uma partida disputada entre Corinthians e Boca em Buenos Aires, no dia 19 de julho, que terminou com vitória corinthiana por 3x2, o que teria feito a equipe argentina desistir da competição, tornando o Corinthians campeão por W.O. Porém, não há documentos que comprovem que essa partida foi disputada – inclusive, apenas 48 horas antes dessa data, em 17 de julho, o Corinthians estava em campo em solo brasileiro pelo Campeonato Paulista, o que inviabilizaria uma viagem internacional e a consequente realização da partida contra o Boca após um intervalo tão curto. Outra prova é que há jornais de dezembro de 1957, ou seja, de quase um ano e meio depois, afirmando que as finais da competição ainda não tinham sido realizadas e que aconteceriam entre janeiro e fevereiro de 1958 – o que jamais se concretizou –, e nem mesmo o site oficial do Corinthians lista a conquista na nossa galeria de títulos.

De qualquer forma, o campeonato faz parte da história corinthiana e merece ser descrito neste espaço, tenha ele resultado em título ou não.

Time-base: Gilmar (Valentino); Olavo e Julião (Alan); Idário, Goiano (Walmir) e Roberto; Cláudio, Luizinho, Paulo (Baltazar), Rafael (Carbone) e Nelsinho (Zezé). Técnico: Oswaldo Brandão.

Para ver uma lista com todos os títulos da história do Corinthians, clique aqui.

Para acessar os posts sobre outros títulos da história do Corinthians, clique aqui.
                  

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Pós-jogo: Corinthians 1x0 Fluminense

Copa do Brasil 2016 – Oitavas de final: jogo de volta

E não é que avançamos? Após o empate no jogo de ida, vencemos, novamente com um gol de Rodriguinho (quem diria?), e estamos nas quartas.

Inegável a melhora do desempenho do time após a mudança no comando técnico. As limitações continuam ali, é verdade, mas deu pra extrair mais da equipe. Ninguém tá fazendo grandes exigências: a única coisa que queremos é um desempenho de acordo com o que esse time pode oferecer.

E vencemos com três gols do adversário anulados! E que embora perfeitamente anulados, já que todos foram lances de impedimentos quilométricos, estão gerando aquela polêmica gostosa com a qual já estamos acostumados. É o preço de ser gigante, fazer o quê?

Eles também reclamam de dois pênaltis não assinalados. Engraçado isso: chegamos num ponto em que gol impedido e pênalti inexistente virou motivo pra chorar. O mimimi não para...

E no fim de semana pegamos o outra vez o Fluminense, de novo em casa, mas pelo Brasileirão.

Próximo jogo: 25/9, contra o Fluminense, em casa, pelo Brasileirão.

Veja o gol no vídeo:


Para ver os posts dos outros jogos da Copa do Brasil 2016, clique aqui.
          

Agenda – 22 de setembro

No dia 22 de setembro de:

  • 1976 nasceu Ronaldo, atacante que atuou no Corinthians de 2009 a 2011.
                
Para ver outras datas importantes da história do Corinthians 
na nossa agenda, clique aqui.

Agenda – 18 de setembro

No dia 18 de setembro de:

  • 1916 nasceu Oswaldo Brandão, treinador do Corinthians de 1954 a 1957, de 1964 a 1966, em 1968, de 1977 a 1978 e de 1980 a 1981.
     
Para ver outras datas importantes da história do Corinthians 
na nossa agenda, clique aqui.

Agenda – 17 de setembro

No dia 17 de setembro de:

  • 1970 nasceu Edílson, atacante que atuou no Corinthians de 1998 a 2000.
                
Para ver outras datas importantes da história do Corinthians 
na nossa agenda, clique aqui.

Agenda – 14 de setembro

No dia 14 de setembro de:

  • 1910 aconteceu a primeira vitória da história do Corinthians: 2x0 no Estrela Polar. Na mesma partida, foi também marcado o primeiro gol da história do Corinthians, por Luiz Fabbi.
              
Para ver outras datas importantes da história do Corinthians 
na nossa agenda, clique aqui.

Agenda – 10 de setembro

No dia 10 de setembro de:

  • 1910 foi realizada a primeira partida da história do Corinthians: derrota por 1x0 para o União Lapa.

  • 1970 nasceu Claudinei Alexandre Pires, o Dinei, atacante que atuou no Corinthians de 1990 a 1992 e de 1998 a 2001.
  •           
Para ver outras datas importantes da história do Corinthians 
na nossa agenda, clique aqui.