sexta-feira, 29 de abril de 2016

Agenda – 29 de abril

No dia 29 de abril de:

  • 1893 nasceu Amílcar Barbuy, atacante que atuou no Corinthians de 1913 a 1923 e treinador do clube de 1934 a 1935, em 1937 e em 1943.
           
    Para ver outras datas importantes da história do Corinthians 
    na nossa agenda, clique aqui.
        

    quinta-feira, 28 de abril de 2016

    Pós-jogo: Nacional-URU 0x0 Corinthians

    Libertadores 2016 – Oitavas de final: jogo de ida

    As oitavas de final da Libertadores parecem uma maldição para o Corinthians. Com a exceção da precoce, traumática e patética queda contra o Tolima em 2011 ainda na pré-Libertadores, todas as nossas eliminações recentes no torneio foram nas malditas oitavas: contra River Plate, em 2003 e 2006; Flamengo, em 2010; Boca Juniors, em 2013; e Guaraní, em 2015. E sempre na mesma situação: perdendo fora de casa na partida de ida e não conseguindo reverter em casa na volta.

    Ontem, quebramos essa escrita. Assim como em 2012, ano da redenção corinthiana com o título inédito, seguramos o empate em 0x0 e deixamos tudo para resolver em casa, na semana que vem, sem a pressão de ter que reverter resultado negativo.

    Não foi uma partidaça, é verdade, mas segurar um adversário catimbeiro e violento na casa deles é sempre uma proeza. E levando-se em conta o Deus nos acuda que foi cada jogada aérea que passou pela zaga corinthiana – que, aliás, não jogava tão mal há muito tempo –, não termos saído do Uruguai com uma derrota é um resultado pra se comemorar, e muito.

    Será que avançaremos?

    Próximo jogo: 4/5, contra o Nacional-URU, em casa, pela Libertadores.

    Para ver os posts dos outros jogos da Libertadores 2016, clique aqui.
              

    segunda-feira, 25 de abril de 2016

    Agenda – 25 de abril

    No dia 25 de abril de:

               
    Para ver outras datas importantes da história do Corinthians 
    na nossa agenda, clique aqui.

    Pós-jogo: Corinthians 2x2 (1x3) Audax

    Campeonato Paulista 2016 – Semifinal

    Tiramos sarro do São Paulo, agora temos que aguentar.

    Pois é, fomos eliminados pelo Audax Osasco. Quem tem um ótimo time, é verdade... Mas não tão bom como o nosso, principalmente porque jogávamos em casa e a obrigação era toda da gente. Mas, de novo, como já havia acontecido no ano passado, parece que trememos na base na hora H, o que é inadmissível em uma equipe do tamanho da nossa. De que adianta fazer outra vez a melhor campanha da primeira fase se não tem bola nem psicológico pra vencer jogo decisivo?

    E tem que treinar pênalti, pelo amor de Deus. Bater nove no ano e acertar três é, de novo, inadmissível. As chances de decisão por pênaltis na Libertadores são enormes, não pode vacilar dessa maneira.

    Paciência. Agora é torcer para que essa tremida não se repita na Libertadores, pois não adianta nada ir bem quando os jogos não valem muita coisa pra morrer na praia na hora que o campeonato engrossa. Já faz três anos que só passamos vergonha em mata-mata, tá na hora de mudar isso.

    Próximo jogo: 27/4, contra o Nacional-URU, fora de casa, pela Libertadores.

    Veja os gols e os pênaltis no vídeo:


    Para ver os posts dos outros jogos do Campeonato Paulista de 2016, clique aqui.
             

    sexta-feira, 22 de abril de 2016

    Pós-jogo: Corinthians 6x0 Cobresal-CHI

    Libertadores 2016 – Fase de grupos: 6ª rodada

    Que mania esse time reserva do Corinthians tem de ficar enfiando seis nos adversários, não?

    Quase 42 mil corinthianos presenciaram uma goleada acachapante: 6x0 sobre o pobre Cobresal, que tanto trabalho nos deu no jogo de ida. Com um golaço atrás do outro, o resultado foi sendo construído naturalmente. A vontade dos reservas em mostrar serviço era enorme.

    O grande desafio da noite era golear para aumentar o saldo e tentar melhorar a campanha geral. Com uma vitória simples, garantiríamos a quarta colocação geral. Com a goleada, ultrapassamos o Atlético-MG no saldo e garantimos a terceira posição. Nosso adversário será o Nacional, do Uruguai, time mais que tradicional. Todo cuidado é pouco.

    Próximo jogo: 23/4, contra o Audax, em casa, pelo Paulistão.

    Veja os gols no vídeo:


    Para ver os posts dos outros jogos da Libertadores 2016, clique aqui.
              

    segunda-feira, 18 de abril de 2016

    Pós-jogo: Corinthians 4x0 Red Bull Brasil

    Campeonato Paulista 2016 – Quartas de final

    Foi 4x0, fora o baile.

    A classificação para a semifinal do Campeonato Paulista veio com uma vitória esmagadora, em uma exibição perfeita, jogando em casa, contra o Red Bull Brasil.

    Destaque para o lateral-direito Fagner, que tá jogando um bolão e inclusive foi aplaudido e teve seu nome gritado pelos torcedores ao sair de campo.

    Mas o Red Bull não pode se envergonhar pelo resultado. Como disse o filósofo/atacante Roger, já teve time grande que jogou na Arena e tomou de 6...

    E agora é esperar o jogo do Palmeiras, para ver como ficam os confrontos.

    Próximo jogo: 20/4, contra o Cobresal-CHI, em casa, pela Libertadores.

    Veja os gols no vídeo:


    Para ver os posts dos outros jogos do Campeonato Paulista de 2016, clique aqui.
             

    sexta-feira, 15 de abril de 2016

    Agenda – 15 de abril

    No dia 15 de abril de:

    • 1963 nasceu Casagrande, atacante que atuou no Corinthians de 1980 a 1983, de 1985 a 1986 e em 1994.
               
      Para ver outras datas importantes da história do Corinthians 
      na nossa agenda, clique aqui.
         

      quinta-feira, 14 de abril de 2016

      Títulos – Campeonato Paulista de 1939

      Bicampeão paulista em 1938 pela terceira vez, o Corinthians iniciou em 1939 a campanha do seu terceiro tri, façanha que até então nenhum clube havia alcançado e que até hoje jamais foi superada, apenas igualada pelo Santos sete décadas mais tarde. Foi o famoso "tri-tri", com as conquistas de 1922-1923-1924, 1928-1929-1930 e 1937-1938-1939.

      Mais uma vez o sistema de disputa foi alterado em relação ao ano anterior. Assim como no campeonato de 1938, foram 11 os participantes e todos jogavam contra todos, mas desta vez a disputa foi em turno e returno. Portanto, cada equipe fazia 20 partidas, e não 10, como em 1938.

      O Corinthians foi campeão com uma campanha excepcional. Em 20 jogos, foram 17 vitórias e apenas três tropeços: dois empates, contra Palestra Itália e Santos, e uma derrota, para o São Paulo.

      As principais vítimas do Corinthians foram o Juventus, que vencemos por 6x0 e 3x0, o Hespanha, goleado por 6x0 e 4x0, e o Comercial da capital, derrotado no turno e no returno por 4x0. Outro grande resultado corinthiano foi a lavada de 5x1 sobre a Portuguesa, equipe que fazia uma ótima campanha.

      O jogo decisivo aconteceu no dia 30 de dezembro, contra o Santos, no Parque São Jorge. O Corinthians venceu por 4x1, com dois de Teleco e dois de Carlinhos, e levantou o 11º troféu estadual de sua história com duas rodadas de antecedência, já que o Palestra, adversário direto ao título, não poderia mais alcançar a nossa pontuação. De quebra, ao chegar a 11 conquistas, se tornou o maior vencedor do estado, junto com o Paulistano.

      Tivemos o melhor ataque da competição (63 gols marcados) e também a melhor defesa (apenas 16 gols sofridos), resultando no impressionante saldo de 47. Contamos também com o artilheiro do torneio, o centroavante matador Teleco, que balançou as redes adversárias 32 vezes, ou seja, foi o autor de mais da metade dos gols marcados pelo time no campeonato.


      Time-base: Barcheta (Joel); Jango e Carlos (Dedão); Sebastião (Pelicari), Brandão e Tião (Munhoz); Lopes, Servílio, Teleco, Joane e Carlinhos (Wilson).

      Para ver uma lista com todos os títulos da história do Corinthians, clique aqui.

      Para acessar os posts sobre outros títulos da história do Corinthians, clique aqui.
                         

      quarta-feira, 13 de abril de 2016

      Títulos – Campeonato Paulista de 1938

      Em 1938, após o título paulista do ano anterior, o Corinthians partiu em busca do terceiro bicampeonato de sua história.

      Como aquele era ano de Copa do Mundo e o calendário foi mais apertado, o campeonato teve seu formato alterado: as 11 equipes participantes se enfrentariam em sistema de pontos corridos, em turno único. Seriam apenas 10 rodadas; ao final delas, quem tivesse somado mais pontos seria o campeão. Devido ao Mundial e aos preparativos da Seleção Brasileira para a disputa, o campeonato apresentou outra particularidade: uma pausa de quase seis meses, entre o começo de abril e o final de setembro, o que fez com que se estendesse até abril de 1939.

      O início do Corinthians no campeonato foi bem ruim: nas quatro primeiras partidas, foram três empates e apenas uma vitória. Em um torneio tão curto, parecia que não teríamos tempo para reagir e recuperar os pontos perdidos, mas a partir da quinta rodada o time engrenou. Com as nossas sucessivas vitórias e as derrapadas dos nossos concorrentes diretos ao título, conseguimos alcançar a liderança.

      Quis o destino que o adversário do Corinthians na última rodada fosse o vice-líder São Paulo, exatamente o único time com chances matemáticas de tirar o título da gente. Com dois pontos a menos na tabela, o rival precisava nos vencer para forçar um jogo-desempate – lembrando que naquela época a vitória valia dois pontos, e não três, como hoje, e que não eram usados critérios de desempate, como saldo de gols ou número de vitórias. Já ao Corinthians, um empate bastava para colocarmos a mão na taça.

      Na partida decisiva, realizada no Parque São Jorge em 23 de abril de 1939, o São Paulo abriu o placar logo aos dois minutos, mas o jogo precisou ser interrompido ainda no primeiro tempo, aos 21 minutos, devido a uma forte chuva. Dois dias depois, em 25 de abril, a partida foi reiniciada, e o resultado persistia até os 20 minutos do segundo tempo, quando o atacante corinthiano Carlito empatou o jogo – segundo os adversários, com um gol de mão. Apesar de toda a reclamação, o gol foi validado pela arbitragem, e o empate em 1x1 deu ao Corinthians mais um título paulista, o 10º de sua história – e invicto, com seis vitórias e quatro empates.

      E a torcida ainda tirou um sarro na comemoração: "É com o pé, é com a mão, o Corinthians é campeão!", em alusão ao canto dos torcedores do Palestra Itália nas conquistas do clube no futebol e no basquete.

      Corinthians bicampeão, pela terceira vez. E no ano seguinte chegaria ao inédito "tri-tri".

      Time-base: José I (Barcheta); Lourenço (Espinafre) e Carlos; Jango (Munhoz), Brandão e Gasparini (Tião); Lopes, Servílio (Daniel), Teleco (Umbigo), Carlinhos (Carlito) e Wilson. Técnico: Armando Del Debbio.

      Para ver uma lista com todos os títulos da história do Corinthians, clique aqui.

      Para acessar os posts sobre outros títulos da história do Corinthians, clique aqui.
                         

      terça-feira, 12 de abril de 2016

      Títulos – Campeonato Paulista de 1937

      Passada a crise que assolou o Corinthians no início da década de 1930, um time mais competitivo foi sendo montado aos poucos no Parque São Jorge, tendo como principal destaque o centroavante Teleco, que já havia sido o artilheiro do Campeonato Paulista em 1935 e 1936. Em 1937, finalmente voltamos a ter motivos para comemorar: vencemos novamente o Campeonato Paulista, o que não acontecia desde 1930, dando o primeiro passo para o terceiro tri paulista da história corinthiana, conforme já havia acontecido em 1922-1923-1924 e 1928-1929-1930.

      O torneio era disputado em dois turnos. No primeiro, as 10 equipes participantes se enfrentariam em jogos apenas de ida, e as seis melhores avançariam para o segundo turno, quando se enfrentariam novamente, com os mandos de campo invertidos em relação ao primeiro turno. A pontuação dos dois turnos era somada, e quem tivesse feito mais pontos ao final de 14 rodadas seria o campeão.

      Nos nove jogos que fizemos no primeiro turno, foram sete vitórias e apenas dois tropeços: uma derrota em casa para o Palestra Itália e um empate com o Santos. A boa campanha permitiu que encerrássemos essa fase na segunda colocação, dois pontos atrás do líder Palestra.

      Logo no início do segundo turno, com a derrota do Palestra diante da Portuguesa Santista, empatamos com o nosso rival na liderança do campeonato, e a rodada seguinte seria exatamente um Palestra x Corinthians, com mando de campo do adversário, jogo decisivo que valeria a ponta isolada na tabela. Mas o Corinthians tinha um desfalque fundamental, já que Teleco estava com uma luxação no braço e não poderia jogar. Começa aí uma das grandes lendas da história corinthiana: conta-se que Zuza, reserva imediato de Teleco, teria desmaiado de nervosismo ao descobrir que entraria em campo logo em uma partida tão importante. Teleco, então, teve que ir para o jogo, mas precisou usar uma camisa de mangas compridas para esconder a tala de bambu que sustentava seu braço. E foi exatamente do herói Teleco o gol da vitória corinthiana, de cabeça, aos 20 minutos do primeiro tempo.

      Um empate do Corinthians na penúltima rodada – 0x0 com o Juventus – manteve o Palestra na disputa, já que a vantagem corinthiana no topo da tabela era de apenas um ponto, mas fomos para a rodada final, em 5 de dezembro, dependendo apenas do nosso resultado para sermos campeões. Ao Palestra, restava vencer e nos secar. O rival até fez sua parte, pois bateu o Santos por 5x3, mas de nada adiantou: com um sonoro 3x0 sobre o Estudantes, o Corinthians chegou a 22 pontos, contra 21 do Palestra, e comemorou o Campeonato Paulista de 1937, o nono título estadual de sua história e primeiro na Era Profissional.

      No ano seguinte, mais um bi viria (e em 1939, mais um tri).

      O artilheiro do campeonato foi, outra vez, Teleco, com 15 gols.


      Time-base: José I; Jaú e Carlos; Jango, Brandão e Munhoz; Filó, Carlito, Teleco, Daniel e Carlinhos. Técnicos: Antônio Pereira e Neco.

      Para ver uma lista com todos os títulos da história do Corinthians, clique aqui.

      Para acessar os posts sobre outros títulos da história do Corinthians, clique aqui.
                         

      segunda-feira, 11 de abril de 2016

      Pós-jogo: Corinthians 3x0 Novorizontino

      Campeonato Paulista 2016 – 14ª rodada

      Pra encerrar a primeira fase do Paulistão em grande estilo, goleada: 3x0 sobre o Novorizontino, com dois de Fágner e um de Alan Mineiro. Fechamos essa etapa na primeira posição geral, três pontos à frente do Santos, que fez a segunda melhor campanha. Conseguimos 35 dos 45 pontos disputados – aproveitamento de 77,8%.

      Que uma campanha excelente como essa não seja jogada no lixo a partir dos jogos decisivos, como aconteceu no ano passado.

      Próximo jogo: ainda sem data definida, contra o Red Bull Brasil, em casa, pelo Paulistão.

      Veja os gols no vídeo:


      Para ver os posts dos outros jogos do Campeonato Paulista de 2016, clique aqui.
               

      quinta-feira, 7 de abril de 2016

      Pós-jogo: Santa Fe-COL 1x1 Corinthians

      Libertadores 2016 – Fase de grupos: 5ª rodada

      Tinha tudo pra dar muito errado. Na noite de ontem, apenas um time parecia estar em campo: o adversário. No primeiro tempo, não dávamos um mísero chute no gol e assistíamos o Santa Fe jogar sozinho, com total liberdade, até que conseguiram abrir o placar. No segundo tempo acordamos e chegamos ao empate, mas longe de conseguirmos uma grande exibição. 

      O importante é que estamos com a vaga quase garantida: na última rodada, enfrentaremos em casa o fraco Cobresal e só uma tragédia nos elimina da competição.

      Próximo jogo: 10/4, contra o Novorizontino, em casa, pelo Paulistão.

      Veja os gols no vídeo:


      Para ver os posts dos outros jogos da Libertadores 2016, clique aqui.
                

      segunda-feira, 4 de abril de 2016

      Pós-jogo: Palmeiras 1x0 Corinthians

      Campeonato Paulista 2016 – 14ª rodada

      Como irrita perder um clássico! E pior ainda é perder do jeito que foi: jogando mal pra caramba, encurralado pelo rival, desperdiçando um pênalti que seria a bola do jogo (quarto pênalti perdido nesse Paulista, aliás) e tomando um gol logo na sequência – gol que, inclusive, foi irregular e que contou com mais uma falha do Cássio, estabanado que só ele na hora de sair do gol. Tudo errado.

      E foi-se embora um jejum de 21 anos sem perder para o Palmeiras no Pacaembu...

      Paciência. Quarta tem jogo que importa de verdade, pela Libertadores.

      Próximo jogo: 6/4, contra o Santa Fe-COL, fora de casa, pela Libertadores.

      Veja o gol no vídeo:


      Para ver os posts dos outros jogos do Campeonato Paulista de 2016, clique aqui.