quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Pós-jogo: Corinthians 2x1 Mogi Mirim

Campeonato Paulista 2013 – Primeira fase: 4ª rodada

Ontem, no Pacaembu, finalmente aconteceu a estreia dos nossos titulares em 2013. A partida foi contra o Mogi Mirim, pela 4ª rodada do Paulistão, e tinha tudo pra ser festa, mas quase deu tudo errado pra gente.

Logo no comecinho da partida, uma jogada do Mogi Mirim deixou o atacante deles em claríssimo impedimento. Todo mundo viu, menos o bandeira e o juíz. Resultado: 1x0 pros caras. A tensão foi crescendo, mas Emerson Sheik, como sempre, decidiu resolver a parada: em uma jogada de muita raça e velocidade, cruzou pra Jorge Henrique, que só teve o trabalho de esticar a perna pra desviar pra dentro. No segundo tempo, mais uma jogada pra Jorge Henrique, que se embolou com o zagueiro do Mogi e acabou derrubado. Se foi pênalti ou não, há quem discuta. Até acho que foi, mas mesmo que não tenha sido, pra quem validou um gol do Mogi com um metro e meio de impedimento não pode deixar de marcar pênalti num lance como esse (e dane-se quem afirma que um erro não justifica o outro). Fábio Santos cobrou com perfeição e virou o jogo.

Com o resultado, subimos pra parte de cima da tabela, com 7 pontos, junto com o próprio Mogi.

Veja os gols no vídeo:

   

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Títulos – Copa do Brasil de 1995

O ano de 1995 foi inesquecível para o torcedor corinthiano. Ganhamos a Copa São Paulo de Juniores, conquistamos o Paulistão derrotando o Palmeiras na final e fomos campeões até mesmo do Carnaval de São Paulo, com a Gaviões da Fiel. Mas a grande conquista do Timão nesse ano foi a Copa do Brasil, primeira de nossa história.

O caminho para o título inédito começou no ano anterior, 1994, quando apenas três vagas eram reservadas ao estado de São Paulo para a Copa do Brasil: duas para o campeão e o vice paulista de 1994 – Palmeiras e São Paulo, respectivamente – e uma para o vencedor de um torneio chamado Copa Bandeirantes, disputado também em 1994, que incluía times da primeira, segunda e terceira divisões do Campeonato Paulista. Foi por meio da Copa Bandeirantes que conseguimos nossa vaga para a Copa do Brasil de 1995, após vencermos o Santos na final, com direito a uma lavada por 6x3. E assim rumamos para mais um título histórico.

O regulamento da Copa do Brasil era o mesmo vigente até os dias de hoje: as equipes participantes se enfrentariam em jogos eliminatórios de ida e volta até a final, quando se decide o campeão.

Nossa estreia na Copa do Brasil de 1995 não foi das melhores: apenas empatamos em 1x1 com o Operário, no Mato Grosso, partida na qual sofremos o primeiro gol e tivemos que correr atrás do empate. Mas esse foi o único dos 10 jogos do Corinthians na competição em que ficamos em desvantagem no placar. Melhoramos na partida de volta, e uma goleada por 4x0 nos levou às oitavas.

Nessa fase, tivemos como adversário o Rio Branco, do Acre. Com duas vitórias (3x0 fora de casa e 2x0 no Pacaembu), avançamos novamente.

Nas quartas, pegamos o Paraná Clube, que na época tinha uma boa equipe. E foi meio que no sufoco que avançamos às semifinais, após um empate sem gols no Paraná e uma vitória apertada, por 2x1, em casa.

Teríamos um adversário tradicional na semifinal, o Vasco da Gama, mas curiosamente esse foi o confronto mais fácil que tivemos na competição. O Corinthians nem tomou conhecimento do clube carioca, vencendo a partida de ida, no Rio, por 1x0, e aplicando uma goleada por 5x0 em São Paulo, com três gols de Viola. Um massacre. Com esse resultado, nos tornamos a primeira equipe paulista a chegar na decisão do torneio, e seríamos também a primeira a conquistar o título.

Na finalíssima, nosso adversário seria o imponente time do Grêmio, que vivia uma grande fase e naquele mesmo ano chegaria ao título da Libertadores. A equipe treinada por Felipão já havia vencido duas vezes a Copa do Brasil e era favorita ao título. Pra dificultar ainda mais as coisas, esse foi o único confronto da nossa campanha em que tivemos que fazer a partida de volta como visitantes. Mas nada disso serviria para tirar o título da gente: venceríamos, mesmo em território adversário.

Na primeira partida da decisão, disputada no Pacaembu em 14 de junho, vitória apertada do Corinthians, por 2x1, com gols de Viola e Marcelinho. Na finalíssima, dia 21 de junho, no Estádio Olímpico, o clima era de grande tensão, e houve hostilidade até na hora do aquecimento. Com a bola rolando não foi diferente: tomamos a maior pressão do Grêmio, que precisava reverter o resultado. O 0x0 seguia firme no placar até que o sempre decisivo Marcelinho abriu o placar, e a vitória por 1x0 decretou mais um título corinthiano.

O Corinthians de 1995, treinado por Eduardo Amorim, será sempre lembrado pelo torcedor por seu estilo ofensivo de jogo. A equipe jogava pra frente, buscando a vitória mesmo quando a classificação já estava encaminhada – fez 21 gols em 10 jogos, média de 2,1 por partida. Porém, a defesa também era muito sólida: levou apenas três gols, terminando sua participação no torneio com média de 0,3 gols sofridos por jogo. Por isso, o título invicto, com oito vitórias e dois empates, foi mais que merecido para uma equipe tão equilibrada.

Essa campanha vitoriosa do Timão ainda conseguiu outro feito: bater recordes de audiência. O torneio teve transmissão do SBT, e a segunda partida da final alcançou incríveis 52 pontos no Ibope – maior pontuação já registrada pela emissora até os dias de hoje.


Time-base: Ronaldo; André Santos (Vítor), Célio Silva, Henrique e Silvinho; Zé Elias, Bernardo (Ezequiel), Marcelinho Carioca (Elivélton) e Souza (Marcelinho Paulista); Viola (Fabinho) e Marques (Tupãzinho). Técnico: Eduardo Amorim.

Para ver uma lista com todos os títulos da história do Corinthians, clique aqui.

Para acessar os posts sobre outros títulos da história do Corinthians, clique aqui.
                   

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Pós-jogo: Mirassol 0x1 Corinthians

Campeonato Paulista 2013 – Primeira fase: 3ª rodada

Finalmente o Corinthians conheceu sua primeira vitória no ano. Contra o Mirassol, fora de casa, os reservas deram conta do recado e trouxeram 3 pontos pra São Paulo. Com assistência do estreante Renato Augusto para o gol de Romarinho, ficamos no 1x0 mesmo, em um jogo pra lá de sonolento.

Na próxima rodada, contra o Mogi Mirim, acabou o papo: é time titular, já pensando na Libertadores, que começa pra gente em 20 de fevereiro.

Veja o gol no vídeo:

           

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Pós-jogo: Corinthians 0x1 Ponte Preta

Campeonato Paulista 2013 – Primeira fase: 2ª rodada

Pra resumir:

Entramos em campo de novo com o time reserva, que não foi bem. Aos 41 do segundo tempo, nosso zagueiro Felipe deu um tranco no atacante adversário dentro da área, e o juiz marcou pênalti (em um daqueles lances que, quando é a favor da gente, os Anti dão chilique uma semana). Final: 1x0 pra Ponte, que continua atravessada na nossa garganta desde o ano passado.

Mas na boa: em um torneio de nível baixo e que classifica os 8 primeiros pro mata-mata, alguém tá preocupado com os nossos tropeços iniciais, ainda mais com o time reserva?

Veja o gol no vídeo:


   

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Pós-jogo: Paulista 1x1 Corinthians

Campeonato Paulista 2013 – Primeira fase: 1ª rodada

O ano de 2012 foi perfeito para o Corinthians, e devido aos títulos da Libertadores e do Mundial, criou-se uma expectativa enorme para 2013. A gente já não aguentava mais a espera para ver começar o ano do Timão, e o dia finalmente chegou. Jogando em Jundiaí, no domingo, empatamos com o Paulista em 1x1 na estreia do Paulistão.

Quem viu o jogo sabe: jogamos com o time totalmente reserva, e mesmo assim o desempenho da equipe foi bastante positivo. É fato: o Corinthians tem um excelente elenco. Tendo essas peças à disposição para complementar craques como Emerson, Danilo, Paulinho e Pato, dá pra acreditar que 2013 será tão bom ou ainda melhor que 2012.

Legal mesmo foi ver o chinês Zizao, em sua primeira partida como titular, dando pedalada, criando uma excelente jogada e fazendo o passe para o gol de Giovanni no segundo tempo. Pena que a zaga moscou e o Paulista empatou no finalzinho, em mais uma falha imperdoável do Julio César. Mas ainda deu tempo de ver o Zizao se esforçando pra dar entrevista no fim da partida, na maior simpatia.

Melhor sorte para nossos guerreiros na próxima rodada, contra a Ponte Preta, na quarta-feira.

Veja os gols no vídeo:

    

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Gols Históricos – Guerrero contra o Al Ahly no Mundial de Clubes da FIFA de 2012

Guerrero não foi só o autor do gol da final do Mundial de Clubes da FIFA de 2012. O outro gol corinthiano no torneio, marcado contra o Al Ahly na semifinal, também foi dele. No dia 12/12/12, após um escanteio, a bola sobrou para Douglas que, de trivela, fez um cruzamento espetacular para dentro da área. Danilo e Guerrero subiram juntos, mas foi o peruano quem tocou na bola, fazendo o gol que nos classificou para a final e abriu caminho para o bi mundial.

Veja o gol no vídeo:

  
Para ver uma lista de gols históricos do Corinthians, clique aqui.

Para acessar os posts sobre outros gols históricos do Corinthians, clique aqui.
          

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Gols Históricos – Guerrero contra o Chelsea no Mundial de Clubes da FIFA de 2012

Em 16 de dezembro de 2012, no jogaço contra o Chelsea valendo o Mundial de Clubes de 2012, brilhou novamente a estrela do peruano Guerrero, que já havia feito o gol corinthiano contra o Al Ahly, na semifinal. O domínio corinthiano crescia na partida quando, aos 24 do segundo tempo, Chicão fez um lançamento, fazendo ligação direta com o ataque. Em uma ligeira troca de passes, Jorge Henrique ajeitou de cabeça pra Paulinho, que levou a marcação consigo e rolou a bola para Danilo; ele bateu pro gol, mas a bola espirrou na defesa, sobrando na cabeça de Guerrero, que fez o gol do título.

Veja o gol no vídeo:

  
Para ver uma lista de gols históricos do Corinthians, clique aqui.

Para acessar os posts sobre outros gols históricos do Corinthians, clique aqui.
              

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Técnicos – Oswaldo de Oliveira


Oswaldo de Oliveira Filho, nascido no Rio de Janeiro em 5 de dezembro de 1950, marcou época no Corinthians. Embora ele tenha sido treinador do clube por pouco tempo, sua média de títulos é impressionante. Em pouco mais de um ano, venceu 3: o Paulista e o Brasileiro em 1999 e o Mundial em 2000.

Sua trajetória no Corinthians começou como assistente do treinador Vanderlei Luxemburgo em sua primeira passagem pelo clube, em 1998. Quando este foi o escolhido para assumir a Seleção Brasileira, ainda no fim de 1998, ficou decidido que Oswaldo seria o seu substituto no Timão. Muitos não gostaram da ideia, devido a sua pouca experiência como treinador, e realmente os resultados iniciais não foram dos melhores, a ponto de a diretoria corinthiana resolver contratar Evaristo de Macedo para ser treinador e colocar Oswaldo novamente no cargo de assistente. Porém, após uma sequência ruim de Evaristo, que ficou apenas 3 meses no cargo, Oswaldo de Oliveira voltou a comandar o time, dessa vez em definitivo.

Aproveitando a base montada por Luxemburgo no título nacional do ano anterior, Oswaldo conseguiu ótimos resultados. Apesar da eliminação para o Palmeiras nas quartas de final da Libertadores de 1999, o time conseguiu uma arrancada sensacional rumo ao título paulista daquele ano, também contra a equipe alviverde. No segundo semestre, Oswaldo guiou o time para o tri campeonato brasileiro em uma campanha arrasadora, na qual o Timão liderou o torneio de ponta a ponta e derrotou o forte time do Atlético-MG na final.

Em 2000 viria a consagração máxima: o título do primeiro Mundial de Clubes organizado pela FIFA, conquistado contra o Vasco da Gama, nos pênaltis, em pleno Maracanã. Porém, resultados ruins no Paulistão daquele ano e uma nova eliminação contra o Palmeiras na Libertadores, dessa vez na semifinal, fizeram com que o treinador fosse demitido.

Oswaldo treinou diversas outras equipes importantes do futebol nacional até ser novamente contratado pelo Corinthians, em 2004. Porém, nessa passagem as coisas não deram certo, e ele deixou o clube mais uma vez. Teria uma nova oportunidade em 2016, mas ficou poucas partidas no cargo.

O treinador, que era flamenguista quando jovem, chegou a declarar recentemente que jamais comemoraria um gol contra o Corinthians em sua carreira. Ele afirma que se tornou corinthiano após sua trajetória no clube, pois lá ganhou diversos títulos e, mais importante que isso, a torcida o ganhou para sempre. Pelos resultados alcançados e pelo carinho demonstrado pelo clube, Oswaldo de Oliveira, merecidamente, ganhou espaço nos corações de todos os torcedores corinthianos.

Pelo Corinthians:

Jogos:
112

Vitórias:
58

Empates:
21

Derrotas:
33

Títulos:
Mundial de Clubes da FIFA: 2000
Campeonato Brasileiro: 1999
Campeonato Paulista: 1999


Para ver uma lista dos principais técnicos da história do Corinthians, clique aqui.

Para acessar os posts sobre outros técnicos da história do Corinthians, clique aqui.
   

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Gols Históricos – Luis Fabbi contra o Estrela Polar em 1910

Esse gol merece estar na primeira colocação, mas ganha o número 10 por ter sido marcado em 1910, no dia 14 de setembro. Nessa partida contra o Estrela Polar, a segunda de nossa história, o Corinthians, ainda um time da várzea paulistana, marcou seu primeiro gol e, de quebra, conquistou sua primeira vitória. O italiano Luigi Salvatore Fabbi, conhecido no país como Luis Fabbi, foi o responsável por tal honra.

Não existem vídeos desse lance, mas mesmo sem registros, sua importância é fundamental por abrir o caminho para a tão vitoriosa história do Sport Club Corinthians Paulista.
  
Para ver uma lista de gols históricos do Corinthians, clique aqui.

Para acessar os posts sobre outros gols históricos do Corinthians, clique aqui.